DEPOIMENTOS DAS USUÁRIAS

Obs: fotos fictícias

Mãe, aos 22 anos, da Maria Clara.

Mãe, aos 27 anos, do Daniel.

photo-1518197533112-caf4010e9d42.jpg

Mãe, aos 34 anos, do Samuel.

Estava em prantos e cansada de bater em porta em porta. No Servi, deixei Deus me conduzir. Hoje sou como uma árvore que recebeu cuidados. Eu me sinto fortalecida.

photo-1457342813143-a1ae27448a82_editado

Mãe, aos 17 anos, da Isabelly.

Eu vivia com medo e assustada. Era rancorosa e magoada. Fui ensinada a amar e a cuidar da minha filha. Quero trabalhar e sonho em encontrar um marido que me ame.

photo-1540680991934-5631ed7ae2e9.jpg

Mãe, aos 24 anos, do Eduardo.

Cheguei ao Servi me sentindo completamente abandonada, pensando em acabar com tudo. Fui recebida sem nenhum tipo de julgamento; pelo contrário, recebi segurança e amor.

photo-1508943050604-605048ae62c0_editado

Mãe, aos 21 anos, do Arthur.

Nada mais fazia sentido em minha vida. Estava em desespero total. No Servi, fui acolhida por pessoas maravilhosas.

photo-1476785403083-39899341573d_editado

Mãe, aos 38 anos, da Clara.

Estava separada do pai dos meus filhos; desesperada e sem saber a quem recorrer. Quando encontrei o número do Servi, eu tinha o desejo de entregar a minha filha para adoção. Mas Deus mudou tudo, Ele me ajudou a enxerga o presente que ela era pra mim. Decidi cuidá-la e amá-la.

photo-1493101670003-a9c7db5858b2_editado

Mãe, aos 27 anos, de Daniel.

Estava acabada emocionalmente, sem vontade nenhuma de viver. Hoje tenho fé no futuro e esperança na minha família.

photo-1456918629585-305b3f5041bf.jpg

Mãe, aos 22 anos, de Maria Clara.

Estava sem esperança, pensando em suicídio. No Servi, aprendi a ter esperança no meu futuro. Já me vejo voltando a trabalhar e completando meus estudos.

photo-1493894473891-10fc1e5dbd22.jpg

Mãe, aos 28 anos, do Arthur.

Estava confusa e não aceitando a gravidez; e com medo da depressão pós-parto. No Servi, ganhei uma segunda família: posso dizer o que sinto, chorar, rir e me sentir amada.

photo-1489252166196-4bd8fdb32df3_editado

Mãe, aos 22 anos, do João Pedro.

Sentia muita culpa pela gravidez e me achava a pior pessoa do mundo. No Servi, encontrei abrigo em meio à tempestade. Ele me ajudou a mudar completamente os meus pensamentos.