VIOLAÇÃO DE DIREITOS DA MULHER

Ascendente próximo do olho

Você sabe

o que fazer?

A violência contra a mulher é todo ato que resulte em morte ou lesão física, sexual ou psicológica de mulheres, tanto na esfera pública quanto na privada.  Lei 11.340/2006

Podendo ser:

Física - espancamento;  atirar objetos; sacudir e apertar os braços; estrangulamento ou sufocamento; lesões com objetos cortantes ou perfurantes; ferimentos causados por queimaduras ou armas de fogo; tortura.

 

Psicológica - ameaças; constrangimento; humilhação; manipulação; isolamento (proibir de estudar e viajar ou de falar com amigos e parentes); vigilância constante; perseguição contumaz; insultos; chantagem; coerção, exploração; limitação do direito de ir e vir; ridicularização; tirar a liberdade de crença; distorcer e omitir fatos para deixar a mulher em dúvida sobre a sua memória e sanidade (gaslighting);


Patrimonial - controlar o dinheiro; deixar de pagar pensão alimentícia; destruição de documentos pessoais; furto; extorsão ou dano; estelionato; privar de bens; valores ou recursos econômicos; causar danos propositais a objetos da mulher ou dos quais ela goste;


Sexual - estupro, obrigar a mulher a fazer atos sexuais que causam desconforto ou repulsa; impedir o uso de métodos contraceptivos ou forçar a mulher a abortar; forçar matrimônio, gravidez ou prostituição por meio de coação, chantagem, suborno ou manipulação; limitar ou anular o exercício dos direitos sexuais e reprodutivos da mulher.


Moral - acusar a mulher de traição; emitir juízos morais sobre a conduta; fazer críticas mentirosas; expor a vida íntima; rebaixar a mulher por meio de xingamentos que incidem sobre a sua índole; desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir.

Fonte:  Instituto Maria da Penha - IMP

 

A Polícia Civil

oferece um número de WhatsApp —  (51) 98444-0606

Serviço - Onde não apenas vítimas podem se manifestar, mas também amigos, familiares e vizinhos que estejam testemunhando agressões em todo o Estado. Pelo aplicativo, é possível enviar vídeos, áudios e mensagens de texto. As mensagens são recebidas pelo gabinete de inteligência da polícia, na Capital, e encaminhadas para as delegacias que investigarão o material.

Onde pedir ajuda contra a violência doméstica em Porto Alegre
Brigada Militar 
Telefone - 190
Horário - 24 horas
Serviço - Atende emergências envolvendo violência doméstica em todos os municípios. Para as vítimas que já possuem medida protetiva, há a Patrulha Maria da Penha da BM, que fiscaliza o cumprimento. Patrulheiros fazem visitas periódicas à mulher e mantêm contato por telefone. A Patrulha está presente em 46 municípios.


Delegacia da Mulher - Polícia Civil
Endereço - Delegacia da Mulher de Porto Alegre (Rua Professor Freitas e Castro, junto ao Palácio da Polícia), bairro Azenha. As ocorrências também podem ser registradas em outras delegacias. Há 23 DPs especializadas no Estado.
Telefone - (51) 3288-2173 ou 3288-2327 ou 3288-2172 ou 197 (emergências)
Horário - 24 horas
Serviço - Registra ocorrências envolvendo violência contra mulheres, investiga os casos, pode solicitar a prisão do agressor, solicita medida protetiva para a vítima e encaminha para a rede de atendimento (abrigamentos, centros de referência, perícias, Defensoria Pública etc), entre outros serviços.


Centro de Referência Vânia Araújo Machado
Endereço - Travessa Tuyuty, 10 - Loja 4 - Centro Histórico, Porto Alegre - RS
Horário - De segunda a sexta-feira, das 8h30min às 18h
Telefone - (51) 3252-8800 ou 3286-7375
Serviço - É uma rede de acolhimento, que conta com atendimento psicológico e social, além de orientação e assistência às mulheres vítimas de violência.


Escuta Lilás
Telefone - 0800-541-0803
Horário - De segunda a sexta-feira, das 8h30min às 18h.
Serviço - Oferece orientação jurídica, psicológica e social. Busca acolher, escutar, avaliar cada situação e referenciar a rede de atendimento do município onde a mulher reside.


Disque-Denúncia
Telefone - 180
Horário - 24 horas
Serviço - Auxilia e orienta por meio de ligações gratuitas.


Centro de Referência Márcia Calixto
Endereço - Rua dos Andradas, 1643, sala 301
Telefone - (51) 3289-5110
Horário - De segunda a sexta-feira, das 8h30min às 12h, e das 13h30min às 18h.
Serviço - Uma estrutura de desenvolvimento de ações de prevenção e enfrentamento à violência. Possui atendimento interdisciplinar psicológico, social e jurídico para mulheres em situação de violência, assim como encaminhamento aos demais serviços que compõem a rede.


Procuradoria Especial da Mulher da Câmara de Vereadores
Endereço - Avenida Loureiro da Silva, 255 - Centro Histórico/ 3º andar, Sala 328
Telefone - (51) 3220-4358 - 3220 4302
Horário - De segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30min às 18h
Serviço - Acolhe casos de violência contra a mulher e encaminha aos órgãos responsáveis por dar continuidade às ocorrências. Além disso, tem a responsabilidade de acompanhar os serviços executados pela rede de acolhimento à mulher vítima de violência na cidade e promover políticas públicas para área, promovendo também campanhas de conscientização acerca do tema.

OS LOCAIS E TELEFONES PARA PEDIR AJUDA NO CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO RIO GRANDE DO SUL

(51) 3516-1151

(51) 99682-0183

secretaria@servi.org.br

@ongservi

  • Facebook
  • Instagram

© 2019 por SERVI